The down side of good things.

Os meus meninos estão uns homens! Ainda ontem ia buscar o Maurício á escola e hoje dou-lhe o carro para as mãos no parque de estacionamento da Feira Nova para ele treinar para as aulas de condução, tal como o Chástre que já o vejo passar por mim no carro da instrução!

Ás vezes fico abismado como o tempo corre, cruzo-me de carro com rapazes e raparigas que mesmo depois de os ver por detrás do volante digo para mim "Não posso, aquele/a já tem 18 anos?! Já guia!" É incrível mas todos os meus penduras estão a tirar a carta e isto desperta em mim um receio que de á uns tempos para cá tinha estado adormecido!

Eu lembro-me dos tempos em que não tinha carta e tentava imaginar a diferença que ia fazer eu ter o carro á minha disposição para ir para onde eu quisesse, lembro-me de falar com eles sobre como quando eu tivesse carta e carro já não havia de sair mais á noite no Barreiro, havia de ir para onde quer que houvesse estrada, estava farto da mesma gente, das mesmas caras, dos mesmos sítios e de sadias á noite rotineiras que nunca traziam nada de novo, achei que a independência que o carro me traria iria mudar tudo isso, estava enganado! Já tenho carta á alguns anos, e continuo a sair á noite no Barreiro, continuo farto de ir aos mesmo sítios, e o facto de agora ter carta e carro não altera nada, só alimenta a frustração de não ir para lado nenhum, ainda para mais agora que posso! Mas não é só querer, com tanta diversidade nunca sabemos para onde é que havemos de ir, ou não tenho gasolina, ou não me apetece, o que é certo é que por um ou outro motivo, raras são as vezes que usufruímos de alguém ter carro para ir seja para onde for, com excepção claro das noites de cinema no fórum Almada que eram impossíveis de outra maneira!

Mas á pouco falei da independência que o carro me trouxe, é claro que vista de dentro foi óptima, ia para todo o lado, não andava de transportes públicos, não andava a pé, e claro, dava boleia até casa a esta ou aquela amiga minha, e o "quality time" dos minutos que passávamos juntos da origem ao destino, foi impulsionador de muitos romances, assim de cabeça lembro-me de um ou dois. Até aqui tudo bem, para mim o carro só trouxe vantagens, estou certo que a minha mãe discorda de todos estes aspectos porque reconheço que é uma dor de cabeça quando o filho começa a sair com o carro, mas filho sou e pai serei, e hei-de passar pelo mesmo, e terei estas linhas para me ajudarem. Mas toda a independência que o carro agora vai proporcionar ao Maurício e ao Chastre, traz anexada algo de bastante perturbarão, a sua independência, via significar que deixam de depender de mim ou do CoLT ou mesmo do Xut para irem a algum lado, dependência essa que nos mantêm mais unidos, tenho medo que isso se perca uma vez que eles fiquem encartados... foi assim que "perdi" o MiStAfAt.

O MiStAfAt ... ou Fatty para nós, é dos meus melhores amigos apesar de a vida profissional dele não nos deixar passar juntos o tempo que gostaríamos, tenho saudades das longas conversas com ele, ele que me entendia tão bem, é um daqueles amigos que faz de mim alguém melhor por o ter a ele como amigo, mas ele tirou a carta, e a independência dele afastou-nos, e por fim veio o trabalho cortar de vez os laços que nos mantinham juntos, agora, tirando as vezes que vou bater á janela dele para trocar dois dedos de conversa, raramente o vejo, e tenho pena que assim seja! Tenho medo que a independência da carta tenha esta influencia no Maurício e no Chastre e venha fragmentar este tão unido grupo, espero estar enganado, sei que a nossa amizade não morrerá e prevalecerá até todas as nossas cartas caducarem, mas espero que saia ilesa, esta amizade "is a good thing... and nothing good, ever dies!"
Free counter and web stats