Saudades de pisar merda.

Em resposta ao comment da YuKs ... Voltei! Desculpem a ausência fieis leitores, mas tenho tido uns dias que não lembram a ninguém. A minha velhota bazou para a Grécia na 5ª feira e desde então que tenho a casa por minha conta. Tem sido muita borga, muita festa, muitas noitadas com a krew na sala a jogar "assassin", de voltar a mesa de snooker e dos dardos ou agarrados ao computador, o trabalho tambem me deu bastante que fazer durante os últimos dias, mas 3ª feira acabei de traduzir o ultimo documentário que aqui tinha ficando com tempo para .... ir pá praia! Isso mesmo! Beach Time! O tempo ajuda e como um bronze fica sempre a matar, tirei os dois últimos dias para ir Pa praia, um cheirinho do verão que promete ser em grande!

Mas falando do Post de hoje.... é isso mesmo tenho saudades de pisar merda! Existem coisas que são comuns acontecer quando somos novos e que com o passar do tempo começam a ser mais raras, e passam de algo natural, a uma chatice. Pisar merda é dos melhores exemplos que encontro, o outro é cair no chão, e mesmo que o 1º ainda aconteça ocasionalmente, aos anos que não caio no chão e enquanto a maioria dirá ... sorte a tua... eu digo, não, azar o meu! Lembro-me que sempre que me estatelava no chão era o resultado de um dobrar de esquina a correr seguido dum derrapanso, um correr a descer as escadas para ir jogar futebol com os gajos pó campo de areia junto ao rio.

Recordo com particular saudade uma das minhas maiores quedas, a rua tinha acabado de ser alcatroada e como todas as noites, lá estávamos nós a jogar aos "centros" na descida com uma baliza pintada a spray na parede e com um bola improvisada que era mais oval que propriamente esférica. Faziam-se apostas sobre quem seria o 1º a estrear o alcatrão, e saiu-me a fava! Um centro mal medido, um pontapé inventado, e piso a improvisada bola e lá fui eu de cara ao chão e estrear o alcatrão novo com os joelhos ... devo ter ficado tão maltratado que a minha mãe desmaiou quando me viu entrar em casa para os 1º's curativos.

Hoje não caiu, não faço corridas á volta do quarteirão, não corro para me esconder depois de andar a tocas as campainhas, não jogo a apanhada nem aos policias e ladrões, não rastejo para debaixo de carros ou trepar arvores a jogar ás escondidas.

O mesmo acontece com pisar merda. Esta dia sim dia sim ... corridas pela relva que ocultava sempre um ou outro dejecto que só nos apercebíamos quando era tarde de mais .... e chateavam-nos!? Nahhhhhhhhhh, continuávamos a brincar, a correr e a pular como se nada fosse. E quando voltava a casa ouvia sempre a frase, "quando é que aprendes a olhar pá frente?!" e eu nada... lá continuava eu no mundo da lua olhando para o céu até o próximo incidente se dar.

No outro dia o lado mais infantil em mim veio ao de cima e resolvi ir brincar para dentro do lago, na altura vazio em, que se encontra em torno da estátua do Alfredo da Silva no parque do Barreiro, corri para lá e sinto-me aterrar em algo escorregadio e quando reparo no que tinha pisado, os meus temor confirma-se, tinha aterrado com os meus ténis de 30cts em cima duma bosta que só pode ter sido largada por uma vaca, cão algum é capaz de expelir algo de tão gigante. A pessoa grande que existem dentro de mim ficou pior que estragada.... aquele que ia a correr para o lago sem uma única preocupação no mundo pensou ... "Ohhhh outra vez paciência!! Que se lixe! Baril! "

Diz-me como estacionas ... e dir-te-ei quem és!

Acho que em 10 segundos pela maneira como um carro está estacionado consigo traçar o perfil de quem o estacionou.

Se há coisa que me revolta é carros mal estacionados, passo a explicar, em frente ao meu prédio existe um parquezito de estacionamento que dá para uns 25 carros se esses 25 tivessem o cuidado de estacionar o carro o melhor possível, o que nunca acontece, e como tal, o tais supostos 25 lugares (uma vez que não existem marcas no chão) passam para uns 15 visto que cada um estaciona da maneira que lhe dá menos trabalho sem qualquer consideração pelo próximo, e passo a explicar como é que consigo traçar um perfil psicológico pelo estacionamento ... é fácil!

Se por acaso vejo que o carro está estacionado de frente, em diagonal, com as rodas viradas para o lado que está estacionado, facilmente concluo que quem o parou é alguém que só pensa nele, que pouco importa se está a ocupar 2 ou 3 lugares, o importante é que o dele está estacionado e ele tem espaço suficiente para abrir as portas, não que ele se preocupe com bater nos carros dos outros, mas assim ate tem mais espaço para sair e tudo! Até já me tentei por no lugar deles e pensar .. realmente, uma pessoa trabalha das 9 as 5 chega a casa cansada do trabalho desesperadamente a precisar dum banho e dum sofá, preocupa-se lá ele como raio deixa o carro... ya, tudo muito bonito até ser ao contrario e essa pessoa chegar por acaso 5 minutos mais tarde e estarem 2 lugares ocupados por alguém que só por acaso, trabalha tanto como ele, chega a casa tão cansado como ele e tambem tem mais que se preocupar em como deixa o carro, e com isto o 1º indivíduo tem de ir estacionar o carro ao fundo da rua... e se calhar a ser um dia de chuva, e ele ate tem uns sacos para carregar para casa... provavelmente até vai pensar "bolas... se este tivesse posto o carro direito... eu ate conseguia para ai... " e como o civismo é uma coisa linda! São aqueles pelos quais tenho menos consideração....!

Depois existem aqueles que vão com o flow, que chegam e vêem todos os carros mal estacionado, e pensam .... "que adianta eu estacionar bem, deixa-me estacionar em espinha como todos os outros que paciência, o meu tambem já está arrumado e já." ... são dos que tenho mais pena, pois das duas uma, ou sempre se conformaram mesmo com aquilo que acharam que estava errado, ou, o alguém que eles já foram outrora ate lutou por um mundo melhor mas o mundo venceu-o e é mais um daqueles que percebeu que há coisas que nunca mudam, e mentalidades são uma delas.

Mais acima na minha lista de consideração estão aqueles que ninguém deve compreender, são o carro que está estacionado direito no meio de todos os carros tortos, como que tentasse fazer regressar ordem a este estacionamento. Aqueles que ainda acreditam que há um lado bom e cívico em cada uma das pessoas, aqueles que pensam que ainda vale a pena tentar. A eles tiro-lhes o chapéu!

Eu acho que sou do tipo conflituoso... do género que, se algum vizinho meu que estaciona em dois lugares e tem o azar de deixar espaço q.b. dum lado para eu enfiar la o meu carrito ... vai ser lá que ele fica, nem que isso signifique que tenho de sair pelo porta-bagagem. Já tentei falar com alguns deles a bem, com outros a mal e estou na fase em que acho que, tal como Kevin Spacey diz no Se7en. "Wanting people to listen, you can't just tap them on the shoulder anymore. You have to hit them with a sledgehammer, and then you'll notice you've got their strict attention."

Mas o que me levou a escrever o post de hoje foi o seguinte. Á umas semanas para cá que um carro resolveu estacionar no parque á frente do meu prédio e deixar-se por cá ficar, mas o que é certo é que estacionou no 2º lugar do parque, e estacionou atravessado, não deixando que ninguém estacionasse no 1º lugar... e farto desta situação, eu e mais uns amigos resolvemos pegar no carro ao colo e endireita-lo de modo a que pudéssemos voltar a estacionar bem no lugar que estava semi ocupado e que obrigava a quem estacionasse no 1º lugar, deixar metade do carro em cima do passeio.

Ontem á noite endireita-mos o carro para que a ordem voltasse e que se pudesse estacionar bem outra vez... cheguei agora a casa, e é certo que está um carro parado no 1º lugar do parque... mas continua metade em cima do passeio, a diferença é que agora, o carro mal estacionado que lá continua a apodrecer, já esta direito, e apercebo-me que por muito que quisesse acreditar que aquele carro era o responsável pela desordem ... hoje vejo que era só uma desculpa que, como um véu, tapava a falta de civismo que abunda no meu prédio!
Free counter and web stats