As Time Goes By!

Costumo dizer que ninguem é interessante por mais que 5 minutos consecutivos. Acho que é o tempo que demora até começarem a aparecer silêncios incomodos, e se começarem a dizer coisas sem sentido que não teem nada de interessante para a outra parte.

Curioso... isto acabar de ter sido escrito pelo mesmo rapaz que todos os dias tem algo para escrever num blog à qualquer coisa como... meio ano!

Fez na passada 6ª feira meio ano que escrevi pela 1ª vez neste meu diário, hoje abro o "meu" link (eheh é tão giro ter um url meu) e a cores do meu blog aparecem, sou invadido por uma sensação de conforto e tranquilidade, sensação essa transmitida por estas paginas que sabem tanto, ou tudo de mim! Acho que esse é um dos principais motivos pelo qual este blog ainda não levou um face-lift! Ou como disse á Vanessa uma vez, "tenho de manter o look singélo e sem grandes aparatos, para não destoar com a pobreza dos textos." ;)

Mas no meio de tudo isto tenho de agradecer especialmente a voces... alguns sei quem são e posso-vos chamar pelo nome, outros não conheço, mas o queixinhas do "counter" diz-me que vc's existem... Posso chamar pelo nome o Muckey, o CoLT, o BB, o Xástre, a minha Anna "favorita", a Marina de quem tenho tantas saudades, a minha cyber.amiga nortenha Mariana, a Vanessa A.K.A. Yuks e à minha Cumpl1ce, á "directly from the States" Vania, a Su e a Tania Bonnet que sei que tambem me visitam ocasionalmente, à Namorada do Xástre ;) tambem conhecida por Xaninha, à minha Super.Girl Carla, à Patricia B., ao Bandido do Y e ao Kabum, aos meus brothas do Norte o Tiago e o Rui, e até mesmo á minha Tia Belinha, e a uns quantos outros que infelizmente nunca deram um ar da sua graça... enfim adorava dizer que "the list goes on forever..." mas não, são poucos aqueles que tiram uns minutos para "me vir v(l)er" mas com a maior das honestidades, voces são todos aqueles que eu preciso, e um sorriso da vossa parte depois de cada visitinha é todo o incentivo que me faz falta.

A todos vocês que depois de estes 6 meses ainda me brindam com a vossa visita... um enorme e sentido, OBRIGADO!

A importância de regras!

Pois é, no outro dia, novamente sobre a mesa do café...

... agora que penso nisso, se as mesas de café falassem, haviam de ter muito para contar, lembro-me de um anuncio do Delta "or somethin", em que o slogan dizia qualquer coisa como "Cafés, palcos de tristezas e amores, enfim, de uma vida!"... é um bocado isso né!? Vou dormir sobre o assunto e qui çá um dia mais tarde não escreva sobre isso...

... de volta ao tópico, lá estávamos nós sobre a mesa do café a contabilizar tempos de namoro de cada um de nós, até a Marta dizer - "Sem contar com as interrupções, já namorei 4 anos com um rapaz."! Eu e o BB tivemos de nos insurgir contra estas "interrupções", o que é afinal uma interrupção dum namoro e quanto tempo podem estas ter para que se ainda possa voltar para o mesmo namoro, um para um novo namoro com a mesma pessoa?!

Achámos de extrema importância estabelecer regras sobre estas interrupções e como tal, chegámos ao consenso de que, qualquer interrupção tem sempre de:

A) Ser inferior a 1/4 do tempo total de namoro.

por exemplo, se alguém namorar 1 ano (12 meses) a interrupção não pode ser maior que 3 meses.!

O que nos remete para a alínea B

B) Nenhuma interrupção pode ser maior que 3 meses, achamos que 3 meses é o "Point Of No Return", e como tal qualquer reatar da relação depois deste período tem obrigatoriamente de fazer um reset á contagem "namoral"

Basicamente.. e apesar de saber por experiência própria que é a partir dos 6 meses que se deixam de contar o meses... achamos que os 3 meses de namoro é um ponto chave!

Basicamente, até 3 meses de namoro, não há namoro, existe apenas duas pessoas que se vêem com bastante regularidade, e só a partir de 3 meses de encontros regulares se pode finalmente ter alicerces e convivência para dizer que efectivamente se namora!

Enfim... todo este tema era controverso devido á falta de regras, e como tal, achámos por bem completar esta lacuna no "código" dos pombinhos para evitar mal-entendidos ;)

Adeus!

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

Eugénio de Andrade

Mais que uma musica, uma lição de vida.

Ladies and Gentlemen of the class of '97...

Wear Sunscreen

If I could offer you only one tip for the future, sunscreen would be it. The long term benefits of sunscreen have been proved by scientists, whereas the rest of my advice has no basis more reliable than my own meandering experience. I will dispense this advice now...

Enjoy the power and beauty of your youth; oh nevermind; you will not understand the power and beauty of your youth until they have faded, but trust me, in 20 years you'll look back at photos of yourself and recall in a way you can't grasp now how much possibility lay before you and how fabulous you really looked.

You are not as fat as you imagine.

Don't worry about the future; or worry, but know that worrying is as effective as trying to solve an algebra equation by chewing bubblegum. The real troubles in your life are apt to be things that never crossed your worried mind; the kind that blindside you at 4pm on some idle Tuesday.

Do one thing everyday that scares you.

Sing.

Don't be reckless with other people's hearts, don't put up with people who are reckless with yours.

Floss

Don't waste your time on jealousy; sometimes you're ahead, sometimes you're behind the race is long, and in the end, it's only with yourself.

Remember compliments you receive, forget the insults; if you succeed in doing this, tell me how.

Keep your old love letters, throw away your old bank statements.

Stretch

Don't feel guilty if you don't know what you want to do with your life, the most interesting people I know didn't know at 22 what they wanted to do with their lives, some of the most interesting 40 year olds know still don't.

Get plenty of calcium.

Be kind to your knees, you'll miss them when they're gone.

Maybe you'll marry, maybe you won't, maybe you'll have children, maybe you won't, maybe you'll divorce at 40, maybe you'll dance the funky chicken on your 75th wedding anniversary. Whatever you do, don't congratulate yourself too much or berate yourself either your choices are half chance, so are everybody else's.

Enjoy your body, use it every way you can, don't be afraid of it, or what other people think of it, it's the greatest instrument you'll ever own..

Dance! Even if you have nowhere to do it but in your own living room.

Read the directions, even if you don't follow them.

Do NOT read beauty magazines, they will only make you feel ugly.

Get to know your parents, you never know when they'll be gone for good.

Be nice to your siblings; they are the best link to your past and the people most likely to stick with you in the future.

Understand that friends come and go, but for the precious few you should hold on.

Work hard to bridge the gaps in geography in lifestyle, because the older you get, the more you need the people you knew when you were young.

Live in New York City once, but leave before it makes you hard;
live in Northern California once, but leave before it makes you soft.

Travel.

Accept certain inalienable truths, prices will rise, politicians will philander, you too will get old, and when you do you'll fantasize that when you were young prices were reasonable, politicians were noble and children respected their elders.

Respect your elders.

Don't expect anyone else to support you. Maybe you have a trust fund, maybe you have a wealthy spouse; but you never know when either one might run out.

Don't mess too much with your hair, or by the time your 40, it will look 85.

Be careful whose advice you buy, but, be patient with those who supply it. Advice is a form of nostalgia, dispensing it, is a way of fishing the past from the disposal, wiping it off, painting over the ugly parts and recycling it for more than it's worth.

But trust me on the sunscreen...

Odeio o dia de hoje!

É isso mesmo, como devem ter reparado não postei ontem, isto porque ia ficar no titulo qualquer coisa como "Quarta-Feira, 16 de Junho de 2004" e esse é um dia que não existe no meu calendário... existe só o 17 de Junho e a vespera do 17 de Junho, em que já não penso em mais nada a não ser no dia seguinte, pensamentos esses que me deixam na lama, dobrando assim as 24h do pior dia do ano e transformando-as em 48h que me deixam de rastos!

Odeio este dia, odeio hoje, gostava de o puder apagar do calendário e nunca mais o ter de viver, saltar das 23:59 de 16 para as 0:00 de dia 18 e viver assim o resto da vida! Ñ que o dia seja assim tão mau, acredito que para todas as outras pessoas do mundo é um dia como tantos outros, mas todos nós temos impreterivélmente um 17 de Junho na nossas vidas, pode é ser n'outro dia de qualquer outro mês.

Tento dizer a mim mesmo que é só mais um dia, que nada muda, que não me vou tornar uma pessoa diferente de hoje em diante, que não vou pensar de outra maneira, não vou ver as coisas com outros olhos... e de facto não vou, sou o mesmo de ontem e serei o mesmo amanhã quando o dia de hoje acabar, mas o seu simbolismo dá cabo de mim, passo o dia a chorar e com um nó na garganta que me empurra as lagrimas para fora dos olhos a qualquer demostração d'afecto daqueles que me são queridos, são as 24 horas mais longas do ano que me dão a volta á cabeça e deixam o meu mundo de pernas para o ar quando penso em quem era, quem sou, em quem me queria tornar, tudo aquilo que não fiz, tudo aquilo a que me propuz fazer e tudo o resto que não foi feito.

Quando olho para trás, vejo que não sou quem outrora achava que ia ser hoje, não estou onde pensava que ia estar agora, e não levo a vida que desejava para mim, mas tou cá, e cada palmadinha nas costas do meu infindável numero de amigos que me diz que eles tambem estão cá, ao meu lado, só vem mostrar que apesar de todo o que correu mal ou menos bem, durante todo este tempo alguma coisa devo ter feito bem.

"É o ciclo da vida" diz a Xana "e não há nada que tu possas fazer para alterar isso", eu sei miss, mas custa-me custa-me tár velho, custa-me ver que estou mais proximo do fim, custa-me pensar que um dia, para o qual já faltou mais, tudo vai acabar, custa-me pensar que hei-de morrer, e que mesmo que tudo corra pelo melhor, esse dia já esteve mais longe. Não que este dia seja diferente dos outros, não que eu não envelhaça tanto hoje como amanha, mas enquanto todos os outros dias do ano me surruram "estás mais velho Zé" este atinge-me pelas costas com uma marreta deitando-me por terra, e por mais força que faça só me consigo levantar quando ele acaba e deixa de me gritar ao ouvido, e os seus berros sãos substituidos pelos zumbidos distantes murmurados por todos os outros dias do ano em que somento os ouço ao longe "estás mais velho Zé!"

Por outro lado, ainda cá estou, sou feliz, tenho os melhores amigos do mundo, o carro mais fixe a face da terra e adoro a minha vida, e mesmo que algo tenha ficado para trás no meio de tudo isto, cada segundo que passa... é uma nova oportunidade para começar de novo.

Os meus amigos, só eles permancem ao logo de todos estes anos, eles, e esta musica, aquela que todos os 17's de Junho atenua a minha dor... podia deixar-vos a letra, mas é enorme e o post já vai longo... eu deixo amanhã, quando tudo tive passado, hoje essa musica é só minha!

O melhor amigo do homem.

... O Cão, estive mesmo tentado a escrever a Mulher, ou até mesmo o seu carro, mas vou manter o cliché e acredita que o cão é mesmo o melhor amigo do homem.

Antes de vir bloggar, se por acaso estou no msn a falar com os meus amigos, gosto quando eles reparam que já passa da meia-noite e perguntam - "então, não vais bloggar", no fundo sei que assim que passa da meia-noite começam a questionar-se sobre qual o tema do post de hoje. Hoje foi a Mariana que perguntou se já não eram horas de bloggar, e quando lhe disse que o tema eram cães, ela estranhou... pois bem Mariana, é mesmo sobre cães que vou falar hoje, sorry ;)

No outro dia assim que entrei no messenger a Ana veio falar comigo atrapalhadissíma a perguntar se eu sabia de algum veterinário aberto 24H por dia, é obvio que não sabia, os únicos animais de estimação que tive nos últimos anos foram canários que foram todos baptizados de "João", e esses nunca adoecem, vivem saudáveis até ao dia em que os encontramos duros no chão da gaiola, suponho que o ultimo "João" que tivemos já devia ser o "João XIV".

No caso da Ana, o motivo de tanta preocupação era mesmo um cão, ou um cadela se bem me recordo uma boxer que estava super doente e precisava de cuidados urgentes! Agarrei-me ás Paginas amarelas... e fui pelos meus dedos! Depressa arranjámos uma clinica veterinária aberta ás 4 da manhã, e segundo a ultimas noticias que tive acho que tudo acabou bem!

Isto perturba-me, eu quando era puto... okay, mais puto, tive um cão, um Epanhol Breton de nome "Snob", veio cá para casa ainda cachorro e dada a tenra idade de ambos, limitava-me a brincar com ele e pouco queria saber se ele nos destruía a casa sempre que era deixado sozinho, se roía tudo quanto apanhava ou fazia xixi no tapete da sala, era o meu cão e era um espectáculo, o Epanhol Breton é um cão de caça, e fica enorme, era impossível tê-lo no apartamento e como tal, assim que ficou maior foi despachado para a herdade dum primo ou tio qualquer, nunca mais o vi. No outro dia por acaso encontrei as filmagens do dia em que o recebi e tive saudades dele, o mais certo é já ter morrido, e é isso que me custa, e acho que é por isso que hoje escrevo sobre ele.

Lembro-me que me custou ver o "Snob" partir, mas sei que me custava muito mais vê-lo morrer hoje depois de todos estes anos com ele, estou certo que a minha vida tinha sido muito diferente e que ia ter óptimas recordações de tudo o que tinha passado com o meu fiel companheiro, mas 10/15 anos passam a correr e não estou tão certo se estou disposto a amar um animal como um irmão sabendo que num curto/médio espaço de tempo ele vai morrer e eu vou ficar de coração partido... prefiro não ter e livrar-me assim do sofrimento que a morte dele ia originar.

Out of the blue... lembro-me da ultima vez que fui ao jardim zoológico e passei pelo cemitério dos cães, nunca tinha reparado no cemitério dos cães e fiquei super comovido, no meio de todas as campas li o epitáfio de uma delas e nunca mais me esqueci das palavras gravadas na pedra, diziam "A casa ficou vazia sem ti", e acho que dizem tudo sobre a dor que fica quando eles partem e, não muito obrigado!
Free counter and web stats