Mais perto do que é importante?

Se há coisa que detesto no natal e no reveillon, são as mensagens que recebo com votos de umas festas felizes, o que até parece contra-ditório, não ficar contente por se lembrarem de mim, e o gesto atencioso que é dizerem qualquer coisa. Pois está que eles não se lembram de mim, não em particular e é isso que não gosto.

Alguem tem de explicar a estes tipos que pegar numa mensagem padrão, isto é sem nomes, alcunhas, ou sequer especificar o genero chegando ao ponto mesmo de acabar com "Beijinhos ou abraços" ficando só a faltar um "risque aquilo que não interesse" entre parentesis, não se qualifica como uma mensagem de boas festas.

Outro das minhas preferidas, são aquelas que chegam dum tipo a quem á um ano atras vendi ou comprei uma peça para o carro, que só me lembro do nome do mesmo porque ainda o tenho guardado na lista desde então com uma nota para saber quem é, e recebo uma mensagem dele dizendo que o melhor deste natal são "os grandes amigos que tem e dos quais nunca se esquece e como tal, aqui ficam os meus votos de boas festas.". Se calhar naquelas 2 ou 3 vezes que falamos criámos uns laços de amizade fortissimos os quais nunca tinha reparado. Devia ligar-lhe de volta e dizer, "Oi, lembras-te de mim ?! Sou o teu grande amigo que conheces-te ah 1 ano atras, vendi-te uns colectores de escape, e nunca mais te voltei a ver. Ouve lá meu grande amigo, não tens ai uns 100€ que me possas dessenrascar até á proxima vez que nos virmos?!"

Outra das mensagens a desejar um bom natal que recebi tinha escrito, com uma linha de espaçamento em genero de post scriptum, que dizia, e cito "Já agora aproveito para te desejar uum bom 2006". Isto é o cumulo do impessoal e com isto interpretação que faço é "Estão masé malucos se acham que daqui a 15 dias vou voltar a dár-me ao trabalho de escrever duas linhas numa sms e carregar no enviar para a a lista toda". A minha retaliação é simples e suponho que eficaz, depois de receber a mensagem padrão respondo com outra mensagem na qual tento incluir tudo aquilo que me lembro do remetente o que resulta em qualquer coisa como "Querido amigo Pedro, muito obrigado por te teres lembrado de mim, afinal de contas já passou tanto tempo, como é ke está tudo ai por casa? Isso com a Silvia ainda dura ;) ? Manda-lhe um beijinho meu! Sempre comparam casa em Sacavem? E a tua mãe, tá melhor da perna, cumprimentos para todos ai em casa. Aquele abraço!" ... acho que o "aquele abraço" é o golpe fatal, e em 90% dos casos volto a receber uma mensagem de boas festas bem mais personalizada.

Mas toda esta questão das mensagens e telefonemas no natal a desejar umas festas felizes faz-me pensar numa questão que á muito havia pensado. Estamos com os telemovéis cada vez mais perto do que é importante, ou mais longe?! No tempo em que os telemoveis eram ficção cientifica e tinha o numero de casa de todos eles apontado numa agendazinha cizenta que guardava na carteira.. sim, naquela altura ainda usavamos os telefone de casa para falar uns com outros, e miraculosamente sobrevivemos. Na vespera de natal, sentava-me á beira do telefone e folheava pagina a pagina da agenda ligando para todos aqueles que me eram queridos a desejar um feliz natal e um prospero ano novo. Está certo que perdia dez vezes mais tempo que aquele que os meus grandes amigos das SMS perdem, entenda-se que eu perdia uns 10 minutos ao contrario do minuto que eles perdem.

Onde quero chegar é ao seguinte, enquanto ligava para a casa dos meus amigos, atendia.me a mãe deles, a quem eu desejava um bom natal, de seguida vinha ele ao telefone, ás vezes até calhava a ser alguem com quem já ñ falava á algum tempo e aproveitavamos a ocasião para por a conversa em dia, e desse modo estava, mesmo que anualmente, a par da vida dos meus amigos, agora manda-se uma mensagem e é quanto basta. E isto é só raspando na ponta do iceberg dum problema bem maior que isto, quantos beijos e abraços não são substituidos para uma chamada!? Quantas e quantas vezes um telefonema não faz as vezes duma "visita de médico" só pa dizer "olá".

Longe de mim achar o telefone uma má invenção, isso é absurdo, mas acho que é mais um daqueles "downside of good things" dos quais só nos apercebemos quando tiramos um minuto para pensar nisso, e constatamos que não estamos nada, mais perto do que é importante.

É natal...

Sexta feira, 23 de Dezembro... na vespera da vespera de natal, e tal como o ano passado, tanto me dá como se me deu (expressão gira), e isto chateia-me, o natal é a minha epoca preferida do ano e incomoda-me não ser invadido pelo espirito da epoca mas não sei se sou eu que não estou no espirito, ou se não há espirito de todo.

Já tentei arranjar uma explicação logica para o facto de andar pouco "enatalado", já pedi opiniões e estas eram as mais variadas para aqueles que como vim a descobrir estão tão pouco "enatalados" como eu. Já achamos que era da "crise", de haver pouco dinheiro e tal ñ permite longas tardes de passeios pelo centro comercial, milhões de sacos nas mãos e um sorriso nos lábios, em vez disso, temos caixinas na mão ou um saquinho em cima do banco do carro, todo um cenário pouco insipirador.

Já achamos que era por calhar num Sabado, devia ser instituida uma lei que estipulasse que o 24 de Dezembro tinha sempre de calhar a uma quarta, seguida do 25 feriado, e tolerância de ponte a 26! Isso é que é Natal! Agora despedir-me d'alguem com, bom natal na sexta feira, e voltar a ter com ele na segunda, estamos a associar o "um bom natal" a um genero de "Bom fim-de-semana" como se fosse naturalissimo, e não é!

Eu acho que o natal este ano, foi uma victima das circunstâncias, a crise, o calhar a um sábado, e sol .. ?! Sol no natal?! Porra será que nada corre bem?! Cadê a chuva a cântaros , está bem que está um frio a dar ares a Polo Norte, mas sem neve, o que torna o frio só chato e despromovido de significado! Só interessa fazer frio se for pa nevar, e se ñ vai nevar, então venham de lá os 20º outra vez s.f.f. , e pior, já tiraram uns minutos para dar uma vista d'olhos á programaçao e ver a que horas vai dár o Sozinho em casa?! Eu já, Sábado 24, ás 18h na TVI, Sozinho em Casa 4

... esperem... 4? Mas será que ninguem percebe a essência do Natal, ou os enhores da TVI não sabem que o Macaulay Culkkin não entra no 4? Acham que é meter um "Sozinho em casa" qualquer pó povinho ver?! Séra que ningem sabe que o Macaulay Culkin está lado a lado com as renas em termos de importancia da época? Para que quero eu um sozinho em casa sem ele!? É como um ter natal sem pinheiro! Natal é tradição, deixem a "Evolução" para Abril e metal lá o miudo a gritar enquanto põe aftershave e devolvam o sentido á quadra.

Não obstante de todos estes senãos, hoje tive a 1ª amostra de natal do ano, e por incrivel que parece até esta amostra do espirito veio por engano, quando atendo o telefone de casa e ouço do outro lado da linha, que parecia originária duma galaxia distante tal a qualidade do som, uma "gente rude do campo" que diz... "Tôuuuu?" e eu que respondo e pergunto de seguida, "Estou sim, quem fala?" e como que numa especia de eco ouço a mesma voz rouca e espantanda "Mas quem fala?" e eu preservando a minha identidade secreta pergunto "com quem é que o senhor deseja falar" e foi aqui que finalmente chegamos a algum lado, "Co o meu compadre António", e eu digo que é engano e a "gente (não assim tão) rude do campo" me diz, "Ohh, faça.me o favor de desculpar simm?! Uma boa noite... e um bom natal!"

E foi aqui neste ".... e um bom natal" que o meu coração se encheu de espirito natalício e retribui os votos com simpatia, apeteceu.me voltar a peegar no telefone e discar numeros ao calhas e desejar o mesmo a toda a gente. Em qualquer outra altura do ano, depois do "É engano" o equivocado pedia desculpa e desligava o telefone, mas não, não é uma qualquer outra altura do ano, é natal, a Inês chega de Itália amanhã, vou buscar a minha maninha ao aeroporto, 5 meses depois de a ter visto lá pela ultima vez, a minha querida veio-me deixar a minha prenda antes de ir passar o natal com a familia a "terrinha" (e se me esquecer de to dizer depois de a abrir, quero que saibas que adorei), e um estranho que calhou a falar comigo ao telefone desejou-me um bom natal, porque é isso que se faz nesta altura, e pouco iporta se está frio (ou muito frio), se chove ou faz sol, se calha a uma quarta ou a um sábado, está tudo bem no mundo porque ... é natal.

... they choose somethin' else

Choose life. Choose a job. Choose a career. Choose a family. Choose a fucking big television, Choose washing machines, cars, compact disc players, and electrical tin openers. Choose good health, low cholesterol and dental insurance. Choose fixed- interest mortgage repayments. Choose a starter home. Choose your friends. Choose leisure wear and matching luggage. Choose a three piece suite on hire purchase in a range of fucking fabrics. Choose DIY and wondering who you are on a Sunday morning. Choose sitting on that couch watching mind-numbing sprit- crushing game shows, stuffing fucking junk food into your mouth. Choose rotting away at the end of it all, pishing you last in a miserable home, nothing more than an embarrassment to the selfish, fucked-up brats you have spawned to replace yourself. Choose your future. Choose life... But why would I want to do a thing like that?

I chose not to choose life: I chose something else!


Tudo começou com a musica...

Ninguem gosta/ouve a musica que eu gosto, e verdade seja dita já estou para lá de os tentar fazer ouvir, tirando o brainwashing que levam sempre que vamos no meu carro para algum lado.

Jeff Buckley, Damien Rice, Jack Johnson, Elliot Smith, Nick Drake, Josh Rouse, David Gray, Ben Harper, Tom Waits, Billy Joel, Donovan Frankenreiter, Dave Matthews, John Mayer ... são alguns dos tipos que admiro.

E se é justo dizer que podemos saber muito deles por aquilo que escrevem, então ñ só os admiro como musicos como admiro como pessoas. Não tenho idolos, ñ sou do genero de venerar alguem, mas vejo-os como role models, exemplos a seguir, ordinary men whith things in perspective, e agora a parte que me faz confusão em ver os acima referidos como exemplos a seguir, alguns deles mataram-se.

É estranho dizê.lo desta maneira, alguns dos meus exemplos a seguir mataram-se, mas acho que isso só me faz gostar ainda mais deles, e isso abre as portas a todo um novo tema... o suicidio.

Foi este o tema da minha conversa com a Ana no outro dia. Eu sempre fui da opinião que era escolher a saida fácil, cobardia, que não era resolver mas fugir aos problemas que nos levaram aquele ponto, logo é contraditório admirar tipos que o fizeram, a Ana por outro lado, acha que é escolher, e que se nos foi dado livre-arbitrio não á que julgar aqueles que escolhem morrer.

Este podia ser o meu mais longo post se eu resolvesse alongar-me e dissertar sobre Ceu e Inferno ou se aquilo que nos espera para toda a eternidade é nada, preto, em branco, se voltamos, se acaba tudo, se já cá estivemos antes ... se temos consciencia de todas as coisas que já passamos. É muito mais bonito acreditar que sim, que se formos pessoas integras vamos para o Céu, e que se cedermos ás tentações e não formos as melhores pessoas que conseguimos ser, ardemos no fogo brando do Inferno... porque senão, se estes anos de vida for tudo aquilo a que temos direito sem nos termos de preocupar com o caminho que nos indicam no pugartório, que raio nos impede de fazer aquilo que nos apetece, de matar quem não gostavamos ou roubar aquilo que não podemos comprar, se o Ceu e o Inferno forem aqui na Terra e não tivermos de prestar contar a ninguem.

Mas voltando ao topico, e tentado explicar a contrariedade que me faz admirar alguem que, num acto que eu considero cobardia, se matou ... Jeff Buckley morreu afogado no Wolf River em Memphis no Tennessee enquanto nadava de costas, vestido e cantava, ninguem sabe se morreu, ou se escolheu outra coisa qualquer. Elliot Smith encostou uma faca ao peito e deixou-se cair, Nick Drake morreu de uma overdose de anti-depressivos.

Eis aquilo que que os admiro ... porque os compreendo, porque eram pessoas especiais que se viram presas num mundo vulgar, em que nada faz sentido para aqueles que não conseguem assimilar o nojo do mundo, um sitio onde aquilo que realmente importa foi destronado por cenas tão futeis como interesses, mesquinhez, vingança, ódio, ganância, mesmo eu já cheguei a achar que este não é um mundo para mim, mas prefiro ficar, e tentar mudar... a escolher somethin' else.

"It's all about love. Don't ever let anything be more important. It's love love love." - Jeff's last words.

Digo o que penso, faço o que digo!

De tempos a tempos acho que o melhor que tinha feito, tinha sido mesmo acabar com o blog na data que tinha inicialmente estipulado, ou seja, quando ele fez um ano. Está agora prestes a fazer dois e a pouca frequencia com que cá venho escrever diz-me que tinha razão, este segundo ano de blog é incomparável ao primeiro, no entanto, disse muito daquilo que tinha ficado por dizer, coisas que acho importante terem sido ditas, e como tál acho que este 2º ano de blog vale por isso mesmo, por um punhado de posts que considero os melhores que já escrevi, entre eles, o E um bocado de mim morreu como ele, o Mamas e tatuagens, piercings e bebedeiras o Eternamente Tu ou o Para a minha amiga Mariana entre outros tantos inspirados/dirigidos à Andreia como o Fácil de entender, enfim, rebentos meus dos quais me orgulho de ter escrito e que não teriam visto a luz do dia se o blog tivesse terminado quando era suposto.

O post que se segue, há-de ser outro daquele que mais tarde me vou orgulhar, não pela maneira como o vou escrever, aviso-vos desde já que pouco ou nada me vou preocupar com a escolha das palavras ou tentar escreve-lo da maneira mais harmoniosa que sei, caguei! Vou dizer o que tem de ser dito, da maneira que me é característica, ou seja, vou dizer o que penso sobre vocês, e como olhos nos olhos não faz o vosso género, deixo escrito aqui no blog para vocês virem a saber sem terem de o ouvir sair da minha boca, aqui fica, "gentinha" pela qual não tenho a mais pequena consideração e á qual acho que só o facto de perder o meu tempo para escrever sobre vós no meu respeitável blog, devia ser para vocês motivo de grande orgulho, adiante.

Vou começar com a Tânia, também conhecida pela "minha amiga Mariana" para os mais distraídos, a minha ex-namorada que se existir de facto um Deus no céu e justiça na Terra, está por esta altura morta a apodrecer numa vala qualquer, infelizmente, o mundo não é tão justo como eu queria crer, e nunca fui muito de acreditar em Deus. Como tal está viva e de saúde de regresso de um encontro do PuntoPt, lol, há gente sem a mínima noção de ridículo não há? O PuntoPT é uma comunidade de donos de Fiat Puntos que trocam ideias num fórum e ocasionalmente se juntam num qualquer ponto do país, hoje juntaram-se em Fátima, e a minha ex-namorada, que enquanto namorada foi comigo no meu Punto a estes encontros agora achou por bem ir por si só no seu Audi, sim claro, tudo a ver.

Até faço de advogado do Diabo e digo, sim está bem, mas ela com os anos de convivência ficou a dar-se bem com estes ou aqueles tipos e agora no encontro foi reve-los, de facto, ficou, dá-se bem com o Fruter e a Sandra, que moram em Sintra e com o Bruno e a Susana, que moram em Loures... ela vai para Fátima estar com eles, sim porque sabe Deus a distancia a que Loures e Sintra ficam da Margem Sul do Tejo... Fátima fica muito mais em conta. E agora o que eu acho piada, a Tânia vive convencida que toda a gente gosta muitoooo dela, o que é verdade, gostam todos muitoooo da Tânia, e vão gostar mais no dia em que ela se deitar e abrir as pernas para eles, (assim tipo aqueles que te metem ao barulho pa me riscar da passagem d'ano, já explico) porque não te iludas, todo o cinismo e simpatia que vês pelo PuntoPt sempre que resolves dar um ar da tua graça, são uma cambada de tipos que esperam pelo dia em que te levam pá cama. E depois brincam contigo a dizer que a frente do teu carro é igual á parte de trás... ha ha ha ... é tudo tão giro, e foda não? É claro que a Tânia se vai meter na boca do lobo, e é a única miúda a ir sozinha para o encontro, enquanto todas as outras, como miúdas respeitáveis que são, acompanham os namorados, a Tânia vai sozinha pó meio dos gajos dos carros que mandam piadinhas na net, pavonear-se para fomentar aquilo que alguém decente evita. E eu estranho isto, mas nem devia, porque vendo bem as coisas, até combina bem com o teu ar de galdéria... ia dizer "puta", mas podem haver crianças a ler isto.

E agora a parte deprimente, isto é tudo aquilo que a Tânia sabe fazer, porque é tão merdosa que nem amigos tem, ou tinha, foi preciso eu aparecer na vida dela para ela ter um grupo de amigos a que chamar dela, que nem era dela mas meu, mas ela é demasiado limitada para perceber isso. Para perceber seja o que for, limitada é pouco para alguém cuja única musica que tinha no computador era a que eu lhe passava, porque nem sequer tinha gosto próprio, e chegava ao ridículo de me mandar mensagens para o telemóvel que diziam "estou a ouvir Jack Johnson e já não sei se é porque gosto se é porque tu gostas". Mas calma, estamos a falar da miúda que criou um blog depois de eu criar o meu e de acabar com ele quando este fez um ano, depois de o meu ter acabado quando completou 1 ano, coincidências!? I think not! Dizia que a minha avó era a que ela queria ter, a sua confidente passou a ser a minha mãe, a sua melhor amiga a minha tia, os meus amigos os que ela queria, as musicas que eu gostava, as que ela ouvia e os meus filmes preferidos passaram a ser os predilectos dela, vái ter ao cinema com o meu grupo d'amigos, ao ponto de achar que tem o direito ou lugar de vir pá passagem d'ano connosco, ela que nos seus 25 anos de sua vida nunca passou a passagem d'ano sem ser em casa... e agora, vai de Audi pós encontros do Clube Fiat Punto. Wannabee alert anyone? Miudinha, tip of advice for free, arranja uma vida e um grupinho amigos para ti, e pára de tentar viver a minha, e te dár com os meus. Parece impossivel, mas já acabei contigo á quase 2 anos, e ainda tenho de te aturar mais ás tuas novelas e intrigas, e que tal ires apanhar uma doença e morreres, e desapareceres duma vez por todas hein?

Não sei se deva rir ou chorar da tua existência miserável, e agora assim de repente lembro-me da noite em que A MINHA MÃE me veio dizer que sabia que eu tinha ido pá cama com uma miúda qualquer, porque tu lhe tinhas contado, isto 3 meses depois de nós termos acabado... quando claro está que a minha vida sexual ainda te dizia respeito, quanto mais para ires partilhar com ela, aquilo que não diz respeito a ninguém, nem a ti... muito menos a ela. E como amor com amor se paga, se calhar é boa altura para eu partilhar com toda a gente a vidinha atarefada que o Thomas Crown ai de casa andava a levar nos últimos 3 anos, justo não achas?

E agora o Martins Junior, que catalogo do grupo da anterior, e que ao que parece levou muito a peito eu dizer que na minha opinião a probabilidade de encontrares aos 15 anos a pessoa com quem vais passar o resto da vida, muitíssimo baixa, dai achar que namoros que começam cedo, como o dele, tinha uma baixa probabilidade de dar em casamento.

Parece que o Junior foi dizer ao Diogo que se calhar bom bom, era eu não ir pá passagem d'ano pa ele não ter de me aturar mais a minha frontalidade que ele parece ter dificuldade em digerir, e o Diogo achou que se calhar era mais facil despachar-me metendo o nome da Tânia ao baralho uma vez que eu fui claro que não ia co-habitar a mesma casa, por meros 4 ou 5 dias que fosse, agora se era para o Junior ir mais a sua querida, se para ir a Tânia e o Diogo tentar fazê-la abrir as pernas pa ele, já não sei, e verdade seja dita estou a anos-luz d'isso bem como da vossa eterna mania de chafurdar na pocilga uns dos outros, como se não houvesse mais miudas no planeta, whatever. Segundo consta, sim, porque tenho pouca practica nisto dos mexericos e bisbilhotices, já se estava a organizar uma paassagem d'ano paralela á que se estava efectivamente a combinar, na qual nem eu nem aqueles que se dão bem comigo, estavamos incluidos, tudo para eu não ir. Pois é, a minha frontalidade que tanto parece incomodar-te tinha dado um jeitão e metido muito menos gente ao barulho, e muita intriga a menos, tivesses tu, homenzinho que és, ou devias ser, chegado ao pé de toda a gente e ter dito, se o "Risques for eu ñ vou", tal como eu fui peremptório da minha posição relativamente á suposta ida da Tania, se calhar tambem aqui devias olhar mais para mim como um exemplo a seguir.

Agora á parte que eu acho piada, incomodava-te, ou não gostavas, ou achavas mal, ou whatever... like I cared... de eu me achar superior a toda a gente, pois bem, a minha opinião vale daquilo que vale, e sou livre de me achar superior a quem bem entender, e tu, tal como na passagem d'ano, tens duas hipoteses, ou ignoras e pensas para ti "o tipo eh parvo, e não faz ideia doke tá a falar", ou ficas efectivamente incomodado pela minha maneira de pensar, e se ficas, se calhar... é porque até tenho rzão. Concluindo e em suma, fica por perto, e pode ser que aprendas algumas coisas e quem sabe um dia, com um bom bocado de sorte á mistura, possas vir a ser metade da pessoa que eu sou ;)

E voilá, roupa suja lavanda e estendida, da maneira que a vocês mais vos agrada, por entrelinhas e recadinhos, e agora posso cinicamente continuar a tentar imitar o papel de alguém que efectivamente fica contente por vos ver quando nos cruzamos na rua. Beijinhos *
Free counter and web stats