...mas ...mas o que é que eu fiz?

O caminho de casa ao Queen Elizabeth pelas 7 da manhã era um martitio diário e então eu a minha irmã iamos o caminho a brincar um com o outro no banco de trás da Renault 4L, aos saltos e ás cambalhotas que nunca ligavam bem com um carro em andamento, era natural que a dada altura o pequeno.almoço regurgitasse. Por muito que me surpreenda agora, vomitar para a bagageira era o pão nosso de cada dia, sempre que achavamos que o inevitável estava para acontecer e avisavamos o meu pai, a resposta era sempre a mesma "vomitem lá para trás.", e assim se passavam a manhã a caminho do colegio.

E tantas foram as vezes que vomitavamos "lá para trás" que era algo de tão natural como o ir para a escola em sí. Não via nada de estranho em vomitar para a bagageira do carro, até á semana passada, quando depois de termos ido jantar com o meu pai ao Forum Almada a Inês diz no caminho de volta a casa "tou mal disposta" ao que o meu pai, como tanto anos antes, responde com uma gargalhada "vê-lá se queres vomitar lá para trás", mas claro que agora tenho mais 20 em cima dos 5 anos de então, e obvio está que ninguem ia vomitar para lado nenhum.

E foi então que me atingiu, 20 anos mais tarde, tendo já eu o meu carro e a consciencia da nojice que é alguem vomitar dentro dele, já para não falar no trabalho que me ia dar a limpá-lo e esfregá-lo 20x até que fosse de novo possivel respirar fundo lá dentro, que me apercebi do trabalho que o meu pai tinha sempre que nós vomitavamos a bagageira da 4L de ponta a ponta, e em todas essas vezes, e acreditem que ñ foram poucas, não me lembro de ele se zangar connosco por isso uma unica vez, e se isto não é amor incondicional, não faço ideia do que possa ser.

Só passado todos estes anos é que nos confessou, "vc's não fazem ideia do trabalho que dava limpar a mala sempre que vc's vomitavam dia sim/dia sim", e mesmo que nos tivesse dito, não ia ter percebido de que é que ele estava a falar, tanto quanto eu sabia, a mala da Renault na manhã seguinte esta como nunca tivesse acontecido nada, pronta para mais um dose do nosso pequeno.almoço de uma hora antes. Só agora é que eu me apercebi que vomitar o carro do meu pai, não tinha nada de natural, apesar de sempre o ter sido. Só agora que tenho carro é que sei o quanto ficava piçado, se alguem regurgitasse, fosse que refeição fosse, dentro dele, e no entanto, isso nunca pareceu aborrecer o meu pai. A father's love is a father's love.

Depois pus-me a pensar na quantidade de coisas que para mim sempre foram verdades universais nunca postas em causa, e que se pensar nelas com a maturidade d'agora vejo que ñ eram assim tão "normais". Pim - Pam - Pum, cada bala mata um, em cima do piano está um copo com veneno, quem bebeu, morreu! ... mas que raio de frase é este para uma criança com 10 anos? Atirei o pau ao gato, mas o gato ñ morreu?! WTF? Mas porque raio é que eu havia de querer matar o pobre gato? E aquela que me faz mais confusão, "Levou um tiro dum amigo, pague 1.000$00" O quê? UM TIRO ?!?! DUM AMIGO ?!?! PAGAR ?! Mas... mas o que é que eu fiz ?!
Free counter and web stats