Oh, I'm sorry, did I break your concentration?

"To you read the bible Brett? There's a passage I got memorized that I think applies to this situation. Ezekiel 25:17. The path of the righteous man is beset on all sides by the inequities of the selfish and the tyranny of evil men. Blessed is he who, in the name of charity and good will, shepherds the weak through the valley of the darkness. For he is truly his brother's keeper and the finder of lost children. And I will strike down upon thee with great vengeance and furious anger those who attempt to poison and destroy my brothers. And you will know my name is the Lord when I lay my vengeance upon thee."

in Pulp Fiction

There goes the neighborhood

Há dias para tudo, ou como o Chef do South Park diz, "há uma altura na vida para tudo, chama-se universidade", mas o que eu quero dizer é que há um dia mundial de toda a estupidez que se conseguem lembrar, o Dia Internacional da Tolerancia, como se todos fossemos ser tolerantes nesse dia, ou o dia Mundial da Industrialização em Africa, Dia Mundial da Televisão, Dia Internacional dos Voluntarios ... enfim, outras tantas centenas de dias que não têm qualquer utilidade.

Á bem pouco tempo celebrou-se o dia mundial do vizinho, e para assinalar a data até os telejornais fizeram uma reportagem é como cada vez mais o "homem é um ilha" e pouco ou nada sabe sobre com quem vive paredes meias.

Pois bem, eu moro num predio com 12 andares e 4 apartamentos por andar, e eis aquilo que eu sei sobre os meus vizinhos. Sei que os novos inquilinos do 1º A, são dois tipos novos e com colunas gigantescas, e sei isso pk eles gostam de ouvir D'ZRT a um altura que faz o chão da minha sala tremer, sem que a casa deles ñ deve ter muitas mobilias porque a musica entoa de tal maneira que sempre que eles resolvem ouvir qualquer coisa, ouvimos todos, oiço eu, e ouve o meu vizinho de cima, e o de cima dele, e assim sucessivamente até ao 7ª andar.

Sei que os meu vizinhos do lado têm um relogio de cucu pregado á parede do quarto da Inês e que de 30 em 30 minutos a informa que já passou meia hora desde que ela ouvio o raio do cuco pela ultima vez, mesmo quando ela está a tentar dormir. Sei que os meus vizinho de baixo têm um bebé que chora todas as noites normalmente entre ás 4 e ás 6 da manhã. Sei que o meu vizinho de cima não gosta muito da disposição da casa dele, mas só se apercebe disso ás 3 da manhã, e então levanta-se e resolve mudar a disposição dos moveis todos. Sei que a minha vizinha do 3ªB está sempre com imensa pressa, pressa tanta que não a deixam esperar 10 segundos seja por quem for que esteja a entrar no prédio de modo a partilharem o elevador, ou então é só mal criada.

Sei que a minha vizinha do 9º A confia imenso nos meus dotes de condutor, visto que me tranca o carro de tal maneira que são preciso 50 manobras para o conseguir tirar. Sei que a minha vizinha do 7º D, e isto é uma citação, "não gasta gasolina a endireitar o carro no estacionamento", é facil saber qual é o carro dela, é aquele que está sempre torto e a ocupar dois lugares. Sei que o vizinho do 12º andar trabalha por turnos e que o carro dele precisa dum motor d'arranque e uma bateria, e sei isto porque ele precisa de uns bons 10 minutos para o conseguir por a trabalhr sempre que sái para o trabalho ás 6 da manhã, semana sim, semana não.

Sei que ninguem está contente com os apartementos que têm, porque estão constantemente a tentar melhora-los, e não há dia que passe em que eu não oiço um berbequim, ou o martelar numa parede, é um misterio como é que 23 anos mais tarde, esta estrutura que por esta altura mais se assemalha a um queijo suiço ainda não veio abaixo. Enfim, ainda sei umas coisas sobre os meus vizinhos e depois daquilo que sei, não tenho vontade de de saber muito mais.

Portuguese do it better!

Vi agora (pela televisão como é claro) o concerto dos GNR a fechar o Rock In Rio e fiquei bue triste.

A comemoração dos 25 anos de carreira, de uma das melhores e mais antigas bandas portuguesas e quem quer que seja que ficou para os ouvir, parecia que lhes estava a fazer um favor, ou a matar tempo para Danny Tenaglia na tenda electronica. Tocaram "tudo aquilo que queriamos ouvir" (trocadilho parvo com o nome do Best Of), muitas das musicas que teem lugar cimentado na história da musica portuguesa como "Dunas", "Efectivamente", "Sangue Oculto", "Sub-16", "Ana Lee", "Popless", "Mais Vale Nunca" entre outras e para os milhares de pessoas que não se estavam minimamente cagando, e custou-me bue ver isso, que não fosse dado o devido valor a uma das maiores bandas portuguesas no dia em que comemoram 25 anos de carreira.

Nem sei o que é que me irrita, se é o preconceito lá porque o Rui Reininho é (ou não é, não m'interessa) maricas, se é ver que todas as pessoas que apareciam na televisão que estavam a vibrar por os estar a ouvir tinha idade para ser meu pai ou minha mãe. Acho que bottom line revolta.me a cretinice dos putos de hoje. Os GNR não são banda da moda, e como ñ são banda da moda não teem o reconhecimento que lhe é devido. Claro que acabaram por ter o concerto que mereciam, em que até o encore foi tocado de rajada para despachar aquilo e nem sequer terem de voltar ao palco. Fico chateado por o tipo como eu de 24 anos, que estava no meio dos cotas a vibrar com GNR que queria mais e levou por tabela por causa dos outros milhares que ñ estavam interessados.

Eu cresci a ouvir GNR, primeiro por influencia dos meus pais, agora porque reconheço o genio por detrás de quem escreve as letras de musicas como "Toxicidade", "Efecticamente" ou "Acorda" e revolta-me que ninguem se dê ao trabalho de ouvir porque não é aquilo que os mentecaptos dos amigos ouvem. Se não gostarem, não gostam, mas ouçam, conheçam, formem uma opinião e não se deixem levar por tendencias. Incomoda-me que um concerto de Coldfinger numa noite de festa universitária esteja ás moscas, e no dia seguinte Quim Barreiros rebente pelas costuras. Longe de mim achar-me no direito de vos dizer o que é que é bom ou o que é que é mau, ou pior, dizer-vos o que é que teem d'ouvir, mas quer-me parecer que andam todos um bocado trocados não!?

Até acreditava se me viessem dizer que é natural que quem tem agora 16/17/18 anos, não se pode identificar com uma banda que anda por cá desde antes deles serem nascidos, não fosse a intemporalidade da musica. O "Patchouly" do "Grupo de Baile" tem tantos anos como os GNR e tanto quanto vejo, aquela musica podia ter sido escrita ontem.

"Essas miudas das escolas secundarias
ja fumam ganzas na paragem do electrico
conversas parvas com mais buço que pintelho
não dizem duas quando tão ao pé de ti"

E depois acabo a pensar que eu é que devo estar enganado, porque a multidão que esgota o pavilhão Atlantico, ou enche o Rock In Rio para ver D'ZRT não pode estár toda enganada.. ou será que pode?

Entao aqui está o meu inconformismo ... 100 das minhas musicas portuguesas preferidas desde 1980 à do ultimo anuncio da TMN, 1 de cada artista, algumas hão.de conhecer de certeza, outras nem por isso, 350 megas que contam como download nacional, por isso não se acanhem.

ed2k://|file|r1sk3z.zip|368052937|F0A617579BFB8E3FE3D6AEF9BE593921|h (procurem por isso no e-mule)
Free counter and web stats