High Fidelity

What came first, the music or the misery? People worry about kids playing with guns, or watching violent videos, that some sort of culture of violence will take them over. Nobody worries about kids listening to thousands, literally thousands of songs about heartbreak, rejection, pain, misery and loss. Did I listen to pop music because I was miserable? Or was I miserable because I listened to pop music?

My desert island, all-time, top-five most memorable breakups, in chronological order, are as follows: Alison Ashmore; Penny Hardwick; Jackie Alden; Charlie Nicholson; and Sarah Kendrew. Those were the ones that really hurt. Can you see your name on that list, Laura? Maybe you'd sneak into the top ten. But there's just no room for you in the top five, sorry. Those places are reserved for the kind of humiliation and heartbreak you're just not capable of delivering.

It would be nice to think that since I was 14, times have changed. Relationships have become more sophisticated. Females less cruel. Skins thicker. Instincts more developed. But there seems to be an element of that afternoon in everything that's happened to me since. All my romantic stories are a scrambled version of that first one.

Hey, I'm not the smartest guy in the world, but I'm certainly not the dumbest. I mean, I've read books like "The Unbearable Lightness of Being" and "Love in the Time of Cholera", and I think I've understood them. They're about girls, right?

Sim, porque o Algarve é uma ervilha!

Não sei que estranho fenómeno ocorre assim que passamos o Alentejo e entramos no Algarve, mas o que é certo é que ele ocorre. Assim que se entra no Algarve essa passa a ser a nossa localização para o resto do mundo, é indiferente se estamos em Sagres ou em Vila Real de Santo António ou qualquer outra localidade entre as duas, estamos no Algarve e isso sobrepõe-se a tudo o resto.

Se eu estiver em casa e alguém me telefonar e perguntar onde é que eu estou, eu digo que estou no Barreiro, se estiver no Porto, digo que estou no Porto e assim adiante com todas as outras cidades e terriolas deste pais, com excepção do Algarve. Se alguém me telefonar e eu estiver em Albufeira ou em Armação de Pêra, não estou nem em Albufeira, nem em Armação de Pêra, estou no Algarve, e isso muda tudo!

Quando chego ao Algarve, telefono a outros amigos meus de ferias, que tambem ñ estão em Portimão, ou em Lagos ou wherever ... estão, tal como eu, no Algarve, e como tal achamos sempre que devíamos aproveitar que estamos todos no Algarve para nos encontrarmos, e então combino com o Paulo, que está em Albufeira, e lá vou eu de Armação para Albufeira, quando lá chego, combinamos ir ter com a Vânia a Faro, depois telefona-mos á Sonia que por acaso também está no Algarve, mais especificamente em Portimão, e lá vamos nós, sempre sem sair do Algarve, para Portimão, depois vamos ter com a Teresa e os amigos dela a Lagos... sempre sem sair do Algarve.

Quando a noite acaba, e Sonia volta para casa em Portimão, damos um salto até ao clube em Vilamoura, deixar a Vânia em Faro, o Paulo em Albufeira e ao parar o carro na garagem de volta a Armação, reparo que metade do deposito do meu carro foi á vida! Como é que isto é possível, como posso eu ter feito uns 300km's se nem sai do Algarve?

Pois é... eu acho que é a quantidade de rotundas que nos deixa confusos. Se um amigo meu de Coimbra me disser que vem a Lisboa, eu pergunto "para que parte de Lisboa?" e se ele calha a responder "Cascais" ou "Sintra" eu digo que isso fica no fim do mundo e que logo nos vimos quando eu for a Coimbra, porque ir a Cascais ou Coimbra é quase ela por ela, mas no Algarve nahhhh, o Algarve é tudo ali pertinho, e é preciso eu fazer 100km's de Via do Infante para pensar para mim "porra, devo ter passado a saída ou ter-me perdido algures pelo caminho, porque devo estar quase em Espanha", mas não, ainda vou prái a meio-Algarve porque aquilo é efectivamente grandito, e aquela sensação de que para baixo é água, logo não há muito por onde fugir é muito enganadora.

Outra variante deste fenómeno é os conhecidos, ou se tem família no Algarve, tem-se obrigatoriamente de se conhecer TODAS as outras famílias do Algarve, porque a ideia geral é que aquilo é sensivelmente do tamanho de Mértola! Não é! É enorme, e é comprido e tem 5000km2, e 400.000 pessoas de Outubro a Julho e 12 milhões o resto do ano. Sim... porque o Algarve é uma ervilha!
Free counter and web stats