Seems Like Old Times

1º Post... 12 minutos depois do dia 26 de Dezembro ter começado, o Natal acabou e embora o "Boas Festas" prevaleça por mais uns dias, com a ultima badalada da meia-noite o espirito natalício esvaiu-se de dentro de mim com a promessa dum regresso daqui a uma dúzia de meses.

Podia-vos falar das prendas, daquilo que dei e recebi, mas nada disso interessa agora, conta a intenção, o esforço, o sacrifício... Naquele infinito numero de familiares em que a maioria nada nos diz... entre a centena de tias das quais metade nunca metemos a vista em cima... mas quando toca á metade que conhecemos, todos temos uma predilecta, a mim é a minha Tia Alice... é uma das 3 irmãs das minha avó, a mais nova, apesar de ter uns trocos a mais que o triplo da minha idade. Não é rica, longe disso, e mesmo sendo possível contar pelos dedos de uma mão as vezes que a vejo durante o ano, todos os natais me oferece 5€ dentro de um envelope, e á medida que mo dá para a mão, olha-me com o mais ternurento dos olhares como quem me diz em segredo "movia o céu e a terra para te dar tudo aquilo que quisesses... mas como não é possível, vou dando tudo o que posso." e diz-me com pena "Não é muito" sem nunca suspeitar que todos os natais ... me dá a mais preciosa de todas as prendas.

Espero que o vosso natal tenha sido tão preenchido como o meu, e que tenham todos uma "Tia Alice" que vos encha o coração.


E foi assim que este blog começou. Entre aquela primeira frase e esta, passaram exactamente 3 anos e 50 minutos, e muita coisa aconteceu nestes 3 anos e 50 minutos, quero dizer, mais nos 3 anos, nestes ultimos 50 minutos não se passou assim nada de extraordinário.

Tinha 22 anos quando este blog começou, e é giro, e ao mesmo tempo assustador ver como mudei. Eu digo aos meus colegas de 18 anos que nos 7 anos de idade que nos separam, temos um milhão de anos de diferença. É impossivel tentar explicar este periodo de transição para a idade adulta, tem de se passar por ele para o compreender, mas eu vou tentar de qualquer maneira.

Aos 18 ou aos 19, até mesmo com 20 anos estava certo de como queria que as coisas fossem, lembro-me duma frase da minha musica preferida dos Pearl Jam (Elderly Woman Sitting Behing The Counter in a Small Town) em que o Eddie Vedder dizia "I change by not changing at all" e era basicamente assim que eu queria que as coisas fossem, não queria mudar nunca, achava que mudar, crescer, tornar-me adulto me deixava um passinho mais perto de morrer, e eu sempre gostei demais de estar vivo para deixar que isso acontecesse. Mas os anos passam e tu vais aprendendo umas coisas, quer queiras quer não, vais sabendo cada vez melhor aquilo que queres para ti. Aos 18 quanto te perguntam o que é que ouves, dizes "eu gosto de tudo" aos 20 dizes "de tudo desde que não tenha "metal" no nome" aos 22 já dizes que gostas de "Rock" e de "Oldies" e aos 25 dizes o nome das tuas 3 ou 4 bandas preferidas, o mesmo com filmes. Aos 18 anos achas que vais ter tempo para tudo, que tens uma vida inteira pela frente, 7 anos mais tarde, achas que desperdicas-te um 1/3 da tua vida a decidir o que é que havias de fazer e acabaste por não fazer nada. Apercebes-te então que a vida é demasiado curta e passa demasiado depressa para que dê para fazer metade das coisas que querias, que já é mais tarde que aquilo que pensavas (It's later than you think). No outro dia ouvia uma entrevista ao João Vieira Pinto, esse icone do futebol nacional, agora com 35 anos e a jogar no Braga, em que ele dizia "já não tenho a preparação fisica para correr os 90 minutos e ir ás bolas todas, mas agora tb já sei pra quais é que vale a pena correr". Pois é, nunca pensei vir a aprender uma "lição de vida" numa flash interview da SportTv a um futebolista acabado, fascinante, e isso é outra das coisas que aprendes, que toda a gente tem alguma coisa para te ensinar, ainda que só por oposição aquilo que realmente queres para ti. Mas é isso tudo e o João Pinto tinha razão, apercebes-te que não vais escalar o Everest, ou ganhar uma medala olimpica, dár a volta ao mundo num balão de ár quente ou ir á lua, mas por essa altura tambem já sabes quais os sonhos pelos quais vale a pena batalhar, e esperas que daqui a 70 anos olhes para trás e não te arrependas de ter deixado nada por fazer.

"Undestand that friends come and go, but for a precious few you should hold on". Os amigos são um campo complicado de discernir. Não são familia embora os vejamos como tal, mas há algo muito importante que os distingue, a familia não se escolhe, os amigos sim. Não toleres m*rd*s de ninguem, muito menos de um amigo. Há algo de verdade na frase de lá de cima, há amigos que vale a pena manter, mas apercebeste que aqueles que vale a pena manter, são os mesmos que nunca correste o risco de perder, os mais low maintenance. São eles que te vão acompanhar por grande parte da tua vida, e já que ao contrario da familia os podes escolher, escolhe-os bem. Não te preocupes se ao longo da tua vida já tiveste 10 grupos de amigos diferentes, por cada um desses grupos d'amigos que tiveste e do qual te afastas-te houve sempre alguem que ficou, e quando tiveres 50 anos há.de ser com os que foram sobrevivendo ao passar dos anos e dos "grupos de amigos" que váis á caça, ou á pesca, ou a um clube de strip, ou seja o que for que um grupo de velhos de 50 anos faz. Uma amizade que precise de ser preservada, não o é, ou sobrevive sozinha ou não merece a pena.

E se os amigos é um grupo complicado, o dos amores é impossivel de perceber. Não as percebia aos 18, ainda não percebo aos 25, e acho que o meu vizinho de 90 anos do 8º andar sabe tanto como eu sobre elas. Aquilo que de mais importante aprendi neste 3 anos, foi de que tambem nós temos um relogio biologico. Não me preocupo com a menopausa, mas preocupo-me com os filhos que hei-de ter. Há pessoas na minha vida a quem eu sei que devo grande parte daquilo que sou hoje, duas avós de 75 e 80 anos que practicamente me criaram, uma bisavó de 92, pessoas que eu sei que por as ter tido na minha vida fizeram de mim alguem melhor, e quero que os meus filhos as tenham na vida deles tambem, e isso limita-te um bocado as contas porque por muito que eu queira acreditar no contrario, elas não vão viver para sempre. Que, e eu já falei disto no "One Last Lesson" e no "Actualização do Coração" aos 18 anos achas que hão-de aparecer 1001 miudas que te vão fazer feliz, que cada uma tem uma particularidade que tu adoras e que é absurdo achar que vais encontrar uma unica pessoa que reuna tudo aquilo que tu procuras. Com o passar dos anos, e á medida que o teu coração se vai partido e recuperando, consegues ver quais aquelas pelas quais ele nunca sarou. Com o passar dos anos tambem vái sendo mais dificil deixares alguem magoar-te, principalmente porque te entregas menos, a menos gente, com mais cuidado, com mais certezas, sobretudo por uma questão de sobrevivência.

A vida é muito mais complicada passados estes 3 anos que era quando este blog começou, se calhar a culpa é do blog, mas eu acho que não.

Nestes 3 anos e 50 minutos, o nosso planetazinho deu 3 voltas ao Sol, o meu priminho Miguel que nasceu depois deste blog começar, já á muito que anda, para o ouvido treinado que sabe que "ápum" é água e "têm têm" tanto pode ser "Sim" como "Pode", "Dá", "Vái", "Faz", ate se pode dizer que já fala. Tive amigos que morreram, tive outros que só morreram para mim, em contra-partida ganhei uns novos pelo caminho, a universidade. Este blog já viu, por duas vezes, o dono de coração partido e por duas vezes o viu recuperar e por saber sempre por quem suspirar, por continuar a escrever, and well, se vc's ainda estão a ler isto passado todo este tempo, é porque eu devo andar a fazer qualquer coisa bem. Fica a promessa que se voces estiverem ai por daqui a mais 3 anos... eu tambem vou estár por cá.

P.S. - e daí, não devo ter mudado assim tanto... porque a prenda da minha Tia Alice, continua a ser a minha preferida.
Free counter and web stats