Parallel Synchronized Randomness

"An interesting brain rarity and our subject for today. Two people walk in opposite directions at the same time and then they make the same decision at the same time. Then they correct it, and then they correct it, and then they correct it, and then they correct it, and then they correct it. Basically, in a mathematical world these two little guys will stay looped for the end of time. The brain is the most complex thing in the universe and it's right behind the nose. Fascinating!"

Laika Come Home.

Nem nunca gostei do raio da cadela, e agora que ela morreu, apetece-me chorar.

A million heartbeats per minute

Foi numa sexta-feira três dias antes do natal. Fui com a avó e a Wanda num fim de tarde ao Forum Almada tratar das prendas de ultíma hora, quando mais tarde, já saturados de saltar de loja em loja, esperava, longe da confusão com a avó á porta do Toys'R'Us, enquanto a Wanda pagava, e foi então que aconteceu.

Enquanto esperavamos passa por nós um sonho de rapariga, dentro de um vestido pelo que lhe descia ao joelho, cinzento, aos quadrados, alta, de sapatos rasos, cabelo escuro comprido e olhos claros, brilhantes como o sorriso que desfilava. Ia morrendo de amor a cada passa que ela dava, e suspirava enquanto a segui-a com o olhar até a perder ao longe por entre a multidão.

Passado uma hora (ou um ano) e meio Forum Almada mais tarde, a Wanda quis ir à Sportzone, onde a fila da caixa era de tal modo enorme, que eu e a avó resolvemos ganhar tempo na fila enquanto a Wanda procurava o que queria, só mais tarde reparei que à minha frente na fila da caixa estava ela.

Enquanto matavamos tempo na fila iamos olhando em redor, olhava para ela, outras vezes olhava ela para mim, e naqueles breves segundos em que o nosso olhar se cruzava, olhavamos um para o outro, e sorriamos envergonhados como quem diz "gosto de ti" quando se têm 12 anos. Queria tanto falar com ela, dizer-lhe qualquer coisa! Pensei em mil e uma maneiras de o fazer, um papel e uma caneta, atirar o meu telefone para dentro da mala que trazia ao ombro, mais tarde ligar para mim e falar com ela, combinar encontrarmo-nos para mo devolver, sei lá, qualquer coisa que garantisse que a voltava a ver, e não consegui pensar em nada, nada que não fosse cair na vulgaridade, e não fui capaz.

Uns minutos mais tarde a Wanda volta com qualquer coisa para a minha irmão que eu jurei que não a apanhava morta com aquilo vestido, e que desolada a Wanda deixou em cima dos enormes cestos à entrada enquanto seguia para a saida, e com isso, sem outro motivo para lá do perfume que usava, não havia razão para continuar na fila da caixa, para continuar ao pé dela, e enquanto me afastava, ela olhou para mim e sorriu com a saudade de quem fica triste por ver partir quem nos é querido, e cada passo para longe dela ficou mais dificil de dár.

Não fui capaz, não me consegui ir embora, e tive de pensar em qualquer coisa que me fizesse voltar para a loja para junto dela. Qualquer coisa, rápido, antes que ela desapareça para sempre, e sob pressão... tive uma epifania. Voltei a correr para a loja, peguei na peça que continuava onde a Wanda a tinha deixado, e voltei para a fila de onde tinha saido, para junto dela outra vez.

- Desculpa, elas mudaram de ideias, importas-te que eu fique contigo para não voltar para o fim da fila?

Ela sorriu e disse que não, que podia ficar com ela (para sempre?!) mas a nossa vez chegou cedo demais, e como tal, eu paguei o que tinha a pagar, ela pagou o que tinha a pagar... despedimo-nos com "Obrigado" e um "Bom natal" que ela desejou de volta, trocamos dois beijos, e antes de me vir embora, juntei a coragem para lhe perguntar o nome... Joana.

Foi a ultima e a unica vez que a vi, e é tudo o que sei dela. Que enquanto comprava um medidor de batimentos cardiacos, fazia disparar os meus enquanto me roubava o coração. Que se chama Joana, e que se não a voltar a ver... fomos felizes para sempre, no tempo em aqueles dois minutos duraram.

Walking down the street, in Soho.



Go Amy! Go Amy! Go Amy! :P
Free counter and web stats