Enquanto o nosso amor durar.

Que se diga e escreva e se invente aquilo que quiserem sobre amor, aquilo que ele é e não é, e tudo o que ele deixar de ser, como nos deixa ou aquilo que nos faz, a dor que causa, o sofrimento que trás. Nada disso importa, nada faz diferença, que se criem blogs e escrevam livros, que se componham musicas e façam poemas, por muito que o tentem complicar, o amor é a coisa mais simples do mundo!

O amor é! Não tem nuances nem meio-termo, não tem explicação, não pede desculpa, não diz "com licença", ser, é toda a condição que o amor precisa. Pouco lhe importa com o que sonhámos ou os planos que traçamos, quão determinados decidimos como tudo ia ser desta vez. O "juro" e o "jamais", o "para sempre", o "nunca mais", vem o amor e vira-nos a vida do avesso, e não faz mal, não importa, esquecemos o que a custo aprendemos antes, os erros que não íamos cometer outra vez, tudo aquilo que não voltávamos a fazer, como as coisas não iam ser, e são, e cometemos, e fazemos, e repetimos os mesmos erros de sempre as vezes que o amor mandar, não há nada a fazer, é mais forte que nós.

Quando o amor não é, surgem problemas e hesitações, teorias ridículas e explicações absurdas de todas as razões pelas quais não ia funcionar, que não é a pessoa certa, ou chegou no momento errado, porque é muito alto ou demasiado baixo, porque o castanho dos olhos dela não é o castanho com que eu tinha sonhado.

Quando o amor é, ama-se, sem alento ou esperança, sem saber onde vamos parar ou como vai acabar, por mais longe, por mais difícil, por mais complicado ou impossível que seja, por mais que doa, nada disso importa, nada faz diferença, deixamo-nos ir para onde o amor nos quiser levar, e com ele ficamos enquanto ele deixar, enquanto o nosso amor durar.

O amor é, ou não é, e quando não é, é outra coisa, mas não é amor.
Free counter and web stats